Você conhece as expressões "cacunda", "cambota", "batedeira", "pratinha", "bitelo", "cafundó" e "dar pança"? O escritor patense Carlos Vieira Charles, de 61 anos, compilou essas e outras palavras típicas do falar mineiro no livro eletrônico "Bão Demais da Conta - Pequeno Dicionário de Mineirês". O material já está disponível na internet. Agora, o autor busca apoio para lançar a versão impressa da obra.

O livro foi lançado pela primeira vez em 2015, depois de dois anos de pesquisa recolhendo palavras em livros, dicionários e até em conversas no cotidiano. Desde então, a obra ganhou duas novas versões - uma, em 2017, e outra em dezembro de 2020.

“Sempre vi matérias que falavam sobre o jeito de falar mineiro. Achei interessante e comecei a recolher essas palavras”, conta Vieira Charles, que também revelou uma história curiosa sobre como conseguia descobrir expressões novas. “Eu passava muito tempo no Mercado Municipal de Patos de Minas, ouvindo o que o pessoal que jogava baralho dizia para conseguir alguma palavra nova (risos)”.

Segundo o escritor, o intuito do trabalho é registrar as palavras para valorizar a cultura regional mineira e preservar o modo de falar da região.

“O jeito de falar faz parte da cultura popular. Com o tempo, isso poderia ir desaparecendo, devido ao crescimento das redes e da televisão. É interessante registrar, porque faz parte da cultura regional e popular e tem muito a ver com nossas raízes. Nossos avós e pais falavam assim, e, hoje, nós também falamos”, explica o autor.

Além de funcionar como registro histórico e cultural, a obra também tem outro objetivo, segundo o escritor: entreter os leitores. “O livro tem muitas expressões engraçadas e divertidas. Quando leem o livro, as pessoas se divertem e acabam, também, lembrando da infância e de histórias de sua família”, afirma Vieira Charles.

O material de 67 páginas está disponível em www.vieiracharles.blogspot.com . Porém, o autor também busca apoio e patrocínio para publicar a obra em formato impresso, seja por meio de incentivos públicos ou pela ajuda da iniciativa privada. Para saber mais sobre a obra e contribuir, entre em contato com [email protected]