349669 2216 Ok
Caiçaras - Full Banner
Publicado em 19/09/2017 por Farley Rocha
Compartilhe:

Pesquisa na UFU de Patos de Minas mostra plantas do cerrado como alternativa para tratar pressão alta

O grupo de Bioquímica Vascular da UFU, campus Patos de Minas, vem se dedicando a investigar o potencial anti-hipertensivo de tais espécies vegetais.

 Em Patos de Minas, a pesquisa mostrou que plantas bem comuns em nossa região podem complementar o tratamento tradicional da hipertensão.

As doenças cardiovasculares, como ataque cardíaco e derrame, são as enfermidades que mais matam em todo o mundo, conforme relatório da Organização Mundial da Saúde. A hipertensão arterial, popularmente conhecida como pressão alta, é uma patologia crônica do sistema cardiovascular e um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de outras doenças cardiovasculares. Sendo a hipertensão causadora de tantas mortes, a pesquisadora Cristina R Fürstenau, docente do Curso de Bacharelado em Biotecnologia da UFU em Patos de Minas, vem desenvolvendo desde 2013 uma pesquisa para conseguir complementar o tratamento da doença. Em Patos de Minas, a pesquisa mostrou que plantas bem comuns em nossa região podem complementar o tratamento tradicional da hipertensão.

De acordo com a docente, a pressão alta atinge em torno de 30 milhões de brasileiros. Sem apresentar sintomas e, na maioria das vezes, de causa desconhecida, a torna extremamente perigosa e um importante foco de estudo para os pesquisadores. A utilização de plantas para o tratamento de enfermidades está presente desde os primórdios da humanidade. O reconhecimento dos compostos bioativos e das vias celulares, entretanto, ainda permanece ignorado e vem despertando, de maneira crescente, o interesse de cientistas de todo o mundo. A professora destacou que tanto patologias mais simples, como dores estomacais e resfriados; como outras mais complexas, como diabetes, câncer e pressão alta, podem ser tratados com produtos naturais de plantas.

O Cerrado brasileiro representa o segundo bioma do país e se estende por vários estados do Brasil, incluindo Minais Gerais. Tal formação geográfica exibe uma riquíssima biodiversidade, com destaque para a variada flora. Babaçu, guariroba, araçá, jatobá, pequi, ingá, mangaba, araticum e muitas outras espécies são encontradas no Cerrado. Diferentes estudos vêm demonstrando as propriedades biológicas das plantas do Cerrado, atuando especialmente como anti-inflamatórios e antioxidantes naturais.

O grupo de Bioquímica Vascular da Universidade Federal de Uberlândia, campus Patos de Minas, vem se dedicando a investigar o potencial anti-hipertensivo de tais espécies vegetais. Cristina informou que atualmente o grupo é formado por ela, como coordenadora do laboratório e supervisora dos estudos, seis alunos de graduação, uma mestranda e uma técnica de laboratório. Dessa forma, extratos obtidos de pequi, sangue-de-Cristo, mangaba e guabiroba vêm sendo testados sobre enzimas específicas, envolvidas no controle da pressão arterial, no plasma e nos vasos sanguíneos de modelos animais e celulares, respectivamente.

Os resultados têm se mostrado bastante promissores e, além de contribuir para a formação de recursos humanos, vêm elucidando de maneira importante os benefícios popularmente reconhecidos dessas plantas, substanciando efetivamente seu uso como completo no tratamento da pressão alta. Ela ainda destacou que todos os dados obtidos foram gerados na UFU campus Patos de Minas, evidenciando, mais uma vez, a iminência do referido campus em se tornar um polo de pesquisa de alto impacto na região.

Cristina ainda explicou que o trabalho procura dar uma base científica para aquilo que já é utilizado popularmente. “Então, por exemplo, as pessoas fazem infusões com a raiz de sangue de Cristo e bebem, observando diferentes efeitos benéficos como antiinflamatórios, antioxidantes e outros. Nós apostamos que essa planta em especial tenha efeito antihipertensivo também”, ressaltou.                         

Ela ainda salientou o objetivo do trabalho feito pelos pesquisadores. “Na Universidade, fazemos pesquisa básica, o que significa que, futuramente, as indústrias farmacêuticas podem usar nossos resultados para produzir um novo medicamento. Mas hoje não temos uma via de administração para sugerir. Temos resultados científicos mostrando que as infusões ingeridas pela população têm efeito porque contém um alto conteúdo de moléculas antioxidantes capazes de regular a pressão arterial, que é o foco do nosso estudo”, concluiu.

Imagens atualizado em 19/09/2017 • 14 fotos

Autor: Farley Rocha Postado em 19/09/2017
Compartilhe:

14 comentários

Recentes Populares
Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Portal Patos Hoje. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Portal Patos Hoje poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!

Os comentários que receberem 20 votos negativos a mais que os positivos serão retirados do Portal.

  • Gustavo Burgos | 2 meses, 3 semanas atrás

    Álvaro Andrade Araxá Cristiani Manhães Eliana Borges

    2 0 Responder

  • Maria José Silva | 2 meses, 4 semanas atrás

    Eu já fiz e meu marido ainda faz o uso di chá de filha de mangaba e é ótimo para abaixar a glicemia

    3 1 Responder

  • CEBOLINHA | 2 meses, 4 semanas atrás

    Muito gasto de dinheiro publico em pesquisas com pouco resultado prático além de ja termos um grande ARSENAL terapeutico contra hipertensão. 99% das pesquisas no Brasil não leva a nada, só desperdicio de dinheiro e massagem na VAIDADE do pesquisador. Verdade tem que ser dita!

    5 15 Responder

    Ignorante! - 2 meses, 4 semanas atrás

    É por essas e outras que este país não avança.. qualquer resultado, por menor que seja, já é um resultado. Não existe receita pronta para a cura de nada se vc não pesquisar, não investigar e não ir fazendo os experimentos. Mas em um país de bananas ignorantes como você, é melhor evitar a fadiga com tamanha falta de informação (ou seria um despeitado?). Ainda prefiro o dinheiro sendo investido em pesquisas que, na sua avaliação não dão em nada, do que no bolso dessa corja política vergonhosa.

    5 1

  • Cara | 2 meses, 4 semanas atrás

    Parabéns a todos alunos e professores belo trabalho

    6 1 Responder

  • Carlos Souza | 2 meses, 4 semanas atrás

    patos está de parabéns... eu tomava AS agora vou procurar essas plantas

    7 1 Responder

  • Raphael Mendonça | 2 meses, 4 semanas atrás

    Bruno Ramos

    6 6 Responder

  • Incompetentes do CSU | 2 meses, 4 semanas atrás

    Parabéns aos pesquisadores da UFU. Competência acima de tudo e proatividade em beneficiar a população patense como um todo, mt diferente dos incompetentes que devolveram de mão beijada as instalações do CSU.

    4 0 Responder

    Indignado do Bela Vista - 2 meses, 4 semanas atrás

    Concordo plenamente. Realmente os pesquisadores da UFU são mt mais competentes e proativos que aqueles da PM que não deram conta de levar a Polícia pro CSU. Lamentável. Quanta incompetência. Nós do bairro Bela Vista estamos indignados.

    3 0

  • Celia Regina Caixeta | 2 meses, 4 semanas atrás

    Muito promissor.

    9 3 Responder

  • Maria Lúcia | 2 meses, 4 semanas atrás

    https://g1.globo.com/educacao/noticia/so-31-escolas-publicas-com-alunos-de-baixa-renda-mantem-excelencia-no-ensino-desde-2011-diz-pesquisa.ghtml Brilhou!!

    2 5 Responder

    leitora - 2 meses, 4 semanas atrás

    A UFU é federal ou seja é pública.

    2 0

  • Diego | 2 meses, 4 semanas atrás

    Parabéns a todos da UFU-Campus Patos de Minas.

    9 5 Responder

carregar mais comentários