349669 2216 Ok
Baile do Hawaii
Publicado em 28/03/2017
Compartilhe:

Minas Gerais sedia o 5º Pacto Integrador de Segurança Pública Interestadual

Evento, que reúne secretários de segurança e profissionais da área de 16 estados, segue até quarta-feira (29/3) na capital

Mais de 100 profissionais de segurança de 16 estados brasileiros estão reunidos na capital mineira.

Minas Gerais está sediando o 5º Pacto Integrador de Segurança Pública Interestadual. Mais de 100 profissionais de segurança de 16 estados brasileiros estão reunidos na capital mineira para discutir ações de prevenção e repressão a crimes nas divisas do país. Entre eles, estão os secretários de Estado de Segurança, além de policiais militares, policiais civis, bombeiros, agentes penitenciários e técnicos das secretarias da área. Até quarta-feira, 29.03, acontecerão treinamentos em softwares e sistemas avançados de mapeamento criminal, de compartilhamento e integração de agências de inteligência, de gerenciamento de processos e documentos, assim como debates que possibilitarão a troca de experiências exitosas e a combinação de operações integradas entre os 16 Estados.

Na abertura do evento, que aconteceu na tarde desta segunda-feira, 27.03, na Academia de Polícia Militar, o secretário executivo do Pacto Integrador de Segurança Pública, Emanuel Henrique Balduíno, ressaltou que o evento tem como principal objetivo criar um fluxo de trabalho operacional, com uma metodologia clara, para que todos os estados envolvidos no pacto possam ter efetiva participação em igualdade de condições. “Nós não conseguiremos fazer o melhor, fazendo o que fazíamos no passado. Temos que melhorar a nossa atividade e é a partir daqui, deste encontro, que tem que surgir este arcabouço de ideias”, disse Balduíno, referindo-se à necessidade de inovação da tecnologia em nível operacional e de inteligência, na prevenção e enfrentamento à criminalidade entre os estados brasileiros.

Participam do evento técnicos e autoridades de Minas Gerais, Goiás, Amazonas, Bahia, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Maranhão, Pará, Piauí, Paraná, Rio Grande do Norte, Roraima, Santa Catarina e o Distrito Federal. Criado em 2016, o pacto surgiu com o objetivo de reforçar a segurança das divisas, evitando a prática comum de perpetuação e transferência de crimes para outros estados, além da livre circulação de criminosos nas áreas limítrofes dos estados.

Um dos principais pontos abordados ao longo dos encontros diz respeito à importância e à necessidade da integração das forças de segurança para coibir a ação de criminosos. E foi sobre isso que falou o secretário Adjunto de Estado de Segurança Pública de Minas Gerais, Aílton Lacerda, representando o secretário da pasta, Sérgio Barboza Menezes. “A questão da integração é um desafio. Não dá para pensar em segurança pública sem pensar em integração. Para avançarmos é preciso que haja integração e este é um dos propósitos do pacto integrador”.

Treinamento

Depois da cerimônia de abertura, os profissionais participaram de um o treinamento sobre o sistema Neomind Fusion ECM Suite, que é uma ferramenta customizável capaz de tramitar e armazenar documentos com velocidade e segurança. O sistema permite a modelagem de todos os processos voltados para a produção de documentação e de orientações relacionadas a operações policiais. O treinamento foi ministrado por Rodrigo Passos de Oliveira, coordenador de Monitoramento dos Sistemas Integrados.

O segundo dia de evento será reservado para o treinamento da plataforma GisGestão. O GisGestão é uma plataforma que contém informações georreferenciadas que permite a produção de relatórios estratégicos, gráficos estatísticos, mapas temáticos, mapas de calor e a busca de informações de forma simples, intuitiva e principalmente visual. Entre os estados integrantes do Pacto, o GisGestão será utilizado como software de análise criminal, para diagnóstico das áreas onde serão realizadas as operações integradas.

Já o terceiro dia será de treinamento do Sistema de Monitoramento de Operações Integradas (Mopi), um software responsável pelo planejamento e monitoramento de operações integradas. Haverá também um Workshop do Comitê de Ações Sociais Integradas, que trabalha no sentido de incentivar o compartilhamento do conhecimento e incentivo à implantação e desenvolvimento de políticas de segurança pública preventiva, social e ambiental. Isso acontece por meio da troca e disseminação de práticas exitosas e do fortalecimento de projetos e ações em municípios escolhidos nas áreas de divisas dos Estados pactuantes.

Breve histórico do Pacto Integrador

No dia 3 de maio de 2016 a cidade de Palmas, no Tocantins, foi sede do Fórum Brasil Central de Governadores. Um dos objetivos do evento foi o de estabelecer um pacto integrador de segurança pública interestadual, para que os estados membros pudessem desenvolver uma metodologia de compartilhamento de informações e conhecimentos de inteligência, investigação, análise criminal e social. O compartilhamento de informações e troca de experiências serviriam para o planejamento integrado e operacionalizado das forças de segurança dos estados participantes.

Como resultado deste encontro, foi redigida a Carta de Goiânia, que traça um conjunto de medidas para o enfrentamento da criminalidade, entre elas a implantação de um sistema nacional de inteligência integrada para atividades operacionais de segurança pública. O documento apontou as principais medidas para o adequado planejamento, gestão, desenvolvimento, implementação, monitoramento e avaliação dos resultados das políticas públicas de combate à criminalidade no âmbito federal, estadual e municipal.

O segundo encontro foi realizado no dia 1o de junho daquele ano, em Brasília. Na ocasião reuniram-se os integrantes do Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Tocantins, Bahia, Minas Gerais e Maranhão. As câmaras temáticas de Operações, Inteligência, Análise Criminal e Ações Sociais elaboraram um documento normativo relativo à legitimação do pacto, à construção das metodologias de trabalho e às definições dos comitês integradores.

Ainda no segundo encontro deu-se início à construção do termo de Cooperação e Metodologia de Trabalho, onde os membros dos estados pactuantes decidiram por estruturar a forma de trabalho por meio de comitês. Ficou então estabelecido um comitê gestor, composto pelos secretários de segurança pública, comandantes e diretores das forças de segurança e outros quatro comitês: Planejamento e Operações Integradas, Inteligência Integrada, Análise Criminal Integrada e Ações Sociais Integradas.

No terceiro encontro, que aconteceu durante o Fórum Brasil Central de Governadores, em Bonito, no Mato Grosso do Sul, nos dias 18 e 19 de agosto, participaram os estados de Minas Gerais, Tocantins, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Roraima. Entre os pontos debatidos, estava o de criar ações conjuntas de segurança pública e defesa social, instituir um modelo de vigilância das divisas e fronteiras, além das metodologias de trabalho.

A Carta de Bonito é um documento resultado deste terceiro encontro. A carta ratificou os termos da Carta de Goiânia e reiterou as necessidades de reestruturação do modelo de segurança pública, visto que o modelo de polícia ostensiva e judiciária precisa de maior integração para o enfrentamento de delitos de divisas em fronteiras em todo território nacional.

O quarto encontro, por sua vez, foi realizado em Goiânia, nos dias 10 e 11 de novembro. Desta vez a pauta foi a apresentação de medidas para uma maior segurança do país, entre elas alterações legislativas e a criação do Ministério da Segurança Pública; prestação de contas dos trabalhos realizados pelas câmaras temáticas de Análises Criminais, Planejamento e Operações, Inteligência e Ações Sociais; definição de metas para a segurança de divisas e fronteiras e a definição de estratégias para a condução dos trabalhos entre os estados e ao governo federal com foco no combate à criminalidade.

Fonte: Agência Minas

Clínica Impar - Início: 21-08-17
Postado em 28/03/2017
Compartilhe:

0 comentários

Recentes Populares
Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Portal Patos Hoje. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Portal Patos Hoje poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!

Os comentários que receberem 20 votos negativos a mais que os positivos serão retirados do Portal.