349669 2216 Ok
Publicado em 17/03/2017
Compartilhe:

Justiça Federal no Paraná bloqueia R$ 1 bilhão dos maiores frigoríficos do país

Esquema de corrupção abastecia o PMDB do Presidente Michel Temer e o PP

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã de hoje (17) a Operação Carne Fraca, que investiga o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento em um esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos. Alguns dos principais grupos do setor no país estão na mira da operação, como o BRF, que detém as marcas Sadia, Perdigão, Batavo e Elegê, e o JBS, que opera com Seara, Swift, Friboi e Vigor.

A Justiça Federal no Paraná determinou o bloqueio de R$ 1 bilhão das investigadas. Segundo a PF, a Carne Fraca é, em números, a maior operação já realizada pela corporação no país. Cerca de 1.100 policiais federais cumprem 309 mandados judiciais em sete estados - 27 de prisão preventiva, 11 de prisão temporária, 77 de condução coercitiva e 194 de busca e apreensão nas casas e escritórios dos investigados e em empresas que fariam parte do esquema.

Em São Paulo, estão sendo cumpridos oito mandados de busca e apreensão; duas empresas e seis residências estão no alvo da operação – uma em Santo André e cinco na capital –; três de prisão preventiva (um em Santo André e dois em São Paulo); seis de condução coercitiva; e um de prisão temporária.

Até agora, dois homens e uma mulher foram presos em São Paulo e levados à sede da Superintendência da Polícia Federal paulista, de onde devem ser encaminhados para Curitiba para depor sobre o esquema de fraude envolvendo o comércio de carne.

Paraná, Minas Gerais e Goiás

Em quase dois anos de investigação, descobriu-se que as superintendências regionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento nos estados do Paraná, Minas Gerais e Goiás atuavam diretamente para proteger os grupos empresariais, em detrimento do interesse da coletividade.

De acordo com a apuração, os agentes públicos envolvidos no esquema valiam-se do poder fiscalizatório de seus cargos e facilitavam a produção de alimentos adulterados, mediante pagamento de propina, emitindo certificados sanitários sem qualquer fiscalização efetiva. Uma das irregularidades detectadas foi a remoção de agentes públicos com desvio de finalidade para atender aos interesses dos grupos empresariais.

Assim, eram viabilizadas ações ilegais de frigoríficos e empresas do ramo alimentício, que operavam em total desrespeito à legislação vigente. As ordens judiciais foram expedidas pela 14ª Vara da Justiça Federal em Curitiba e estão sendo cumpridas no Distrito Federal e em seis estados: São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Goias.

Fonte: Agência Brasil 

Rovan - Super Banner Rodape - inicio 11-07-17
Postado em 17/03/2017
Compartilhe:

3 comentários

Recentes Populares
Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Portal Patos Hoje. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Portal Patos Hoje poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!

Os comentários que receberem 20 votos negativos a mais que os positivos serão retirados do Portal.

  • s246 | 6 meses, 1 semana atrás

    E como a população são ingênua como se essa pratica de achaque de agentes públicos para maneirar na focalização fosse nova, não é só com os frigoríficos que essa pratica é recorrente.e também não é só no Brasil que ocorre isso, comparado por exemplo com a França e fichinha, lá eles misturam ate carne de cavalos nas linguiça, veja no YouTube, https://youtu.be/ySBUdmaVC6M mas já é um bom começo para moralizar esse pais o que não pode e arrebentar as empresas e a exportação, que tenha mais cuidados para não arrebentar a economia, tem que haver um mecanismo para punir os envolvidos sem expor as empresas.

    2 0 Responder

  • Carteirinha não é sinal de honestidade! | 6 meses, 1 semana atrás

    Tem corretor com CRECI que não vale a água que bebe e tem muitos sem o documento que são honestos e ajudam a fazer bons negócios. Documento não é atestado de caráter ou idoneidade moral de ninguém. Tem que deixar todo mundo trabalhar. Lei do mercado: se vocês acham que aqueles que tem o CRECI são melhores, os outros serão excluídos do mercado naturalmente. O negócio é que tem ótimos corretores que não tem carteirinha e os mais jovens não admitem isso.

    0 0 Responder

    tizi - 6 meses, 1 semana atrás

    o que seu comentário tem em relação a matéria que fala do bloqueio aos frigoríficos?

    1 0

  • Gatuno | 6 meses, 1 semana atrás

    A corrupção neste País se tornou uma epidemia. Isso prova que os nossos políticos, muitas vezes , são corruptos, porque tem quem viabiliza a corrupção . Isso já está provado com as construtoras e com as grandes empresas dos mais diversos setores. Esse é o liberalismo econômico que todos os capitalistas defendem. Teoria defendida por um liberal chamado Adam Smith com sua famosa máxima "Laissez faire, laissez passer". Traduzindo para o português: " deixai fazer, deixai passar" em que tudo é permitido em nome do lucro.

    6 1 Responder

    Gatinha charmosa - 6 meses, 1 semana atrás

    Sabe de nada, inocente! Nunca viu um livro de Adam Smith na frente. Usa palavras que ouviu dizer. Você sabia que Adam Smith era contra a escravidão naquela época? Realmente, você é um gatuno! Não conhece nada e fica palpitando.

    1 2