349669 2216 Ok
Publicado em 21/11/2017
Compartilhe:

Justiça afasta coveiro por cobrança ilegal em cemitério de João Pinheiro

Segundo testemunhas, o coveiro estaria pedindo 600 reais para cavar o túmulo.

 Cemitério Municipal de João Pinheiro. ( Foto: JP Agora )

A Justiça de João Pinheiro acatou o pedido de liminar do Ministério Público de Minas Gerais e decidiu afastar temporariamente o coveiro Adauto Mendes da Silva das suas funções no Cemitério Municipal até que o processo seja finalizado. O MP havia instaurado um inquérito civil para apurar denúncias de que o coveiro estaria cobrando ilegalmente das pessoas para sepultar os familiares. Segundo testemunhas, Adauto estaria pedindo 600 reais para cavar o túmulo. Familiares do funcionário público alegam que o valor pedido corresponderia aos materiais gastos para a realização do sepultamento.

De acordo com o texto da decisão proferida pela juíza Karen Cristina Lavoura Lima, de 27 de setembro de 2017, está escrito que o afastamento ocorre para, segundo a juíza, impedir a “obstrução da colheita das provas necessárias, com a manutenção da coação sobre testemunhas, além da possibilidade de destruição de provas documentais”.

Fica definido ainda o bloqueio de até 12 mil reais das contas de Adauto, como forma de ressarcir as pessoas que foram comprovadamente prejudicadas com a cobrança indevida. Nos autos foram confirmados cinco pagamentos de 600 reais, totalizando 3 mil reais. A isso soma-se a multa que quadruplica esse valor, chega-se a 12 mil reais.

A denúncia chegou ao Ministério Público em março desse ano, o que motivou o promotor de Justiça Fábio Alves Bonfim a abrir o inquérito e a pedir o afastamento do servidor público durante as investigações. Segundo as testemunhas ouvidas pelo inquérito, Adauto teria dito para um dos familiares de uma pessoa falecida que se não fossem pagos 600 reais, ele iria “desenterrar o corpo”. Há até mesmo cópia do recebido do pagamento realizado.

Outro fato que indignou os pinheirenses é que a cobrança da taxa não garantia a posse do terreno à família, isto é, se paga apenas para a escavação e pelos materiais. Além disso, nenhuma taxa era recolhida para o município, dando a entender que o dinheiro ficava com o servidor público.

Em um grupo de WhatsApp à época, uma filha de Adauto chegou a defender o pai das acusações, dizendo que apenas em dois casos houve a cobrança pelo serviço, mas porque se tratava de um trabalho particular e que envolvia a compra de materiais de construção. Ela também alega que seu pai não foi ouvido pelo promotor.

Fonte: JP Agora

Postado em 21/11/2017
Compartilhe:

8 comentários

Recentes Populares
Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Portal Patos Hoje. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Portal Patos Hoje poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!

Os comentários que receberem 20 votos negativos a mais que os positivos serão retirados do Portal.

  • Antônio | 2 semanas atrás

    É Revoltante. Sou de João Pinheiro, e minha família passou por essa situação no dia 27 de Abril 2016. No nosso caso a própria Funerária que, nos prestou o serviço, nos avisou que teríamos que pagar esse valor R$600,00 ao Adauto. Tenho o recibo em mãos. Infelizmente, o que mais existe são pessoas sem caráter algum que se aproveita de uma situação de desespero e fragilidade para lucrar. Isso é um roubo e uma falta de respeito.

    0 0 Responder

  • Edu | 3 semanas, 3 dias atrás

    O camarada não quis estudar. Agora que ganha bem extorquindo os outros. Tem que perde esse emprego.......

    1 0 Responder

  • Alonso Ferreira Silva | 3 semanas, 3 dias atrás

    O cara ja recebe pra fazer o serviço e anida quer explora das pessoas.

    2 1 Responder

  • Grecia Dias | 3 semanas, 3 dias atrás

    cada coisa viu kkkkk

    5 1 Responder

  • Thalyta Soares | 3 semanas, 3 dias atrás

    Fazem pouco caso das coisas.. ou vc vai lá e faz .. se não fica dias.. que eles não se movem

    3 1 Responder

  • PROCURA MAIS | 3 semanas, 3 dias atrás

    Procura mais polícia, tem as máfias das funerárias, e também dos corpos em hospitais, avança a triangulação ai que pega mais coisa indevida. É só cavar mais um pouquinho, e, ainda tráfico de órgãos. Vai que vcs acha logo.

    6 0 Responder

    Edu - 3 semanas, 3 dias atrás

    Essa mafia das funerárias e no Brasil todo.

    1 0

  • Elenice Cavalcanti | 3 semanas, 3 dias atrás

    Aqui em Patos tb já teve dessas...

    5 0 Responder