Alunos da Escola Agrícola de Patos de Minas recebem orientações da Polícia Civil para combate ao Bullying

Além de palestra, os alunos entraram em contato com o protocolo americano “Run Hide Fight” (corra, esconda-se, lute), em ação pioneira da Polícia Civil.

publicado em 02/07/2019, por Farley Rocha


As palestras e simulações encerraram o Projeto de Combate ao Bullying na Escola Agrícola.

Cerca de 300 alunos da Escola Estadual Agropecuária de Patos de Minas participaram de uma aula diferente. Em duas segundas-feiras (24/06 e 01/07), o Delegado Regional, Luís Mauro Sampaio e o Perito Criminal, Filipe Guelber, estiveram na instituição de ensino para abordar, de forma sistemática, questões de combate ao bullying. Além disso, foi abordada a metodologia que consiste em apresentar a situação do atirador ativo usando o protocolo americano de fuga.

Nas duas semanas, os policiais alertaram os adolescentes sobre a prática de bullying, que pode se tornar uma ação criminosa, sujeita a processo, uma vez que pode ser físico ou até mesmo incidir na prática de crime contra a honra. Nesta primeira parte, o delegado alertou os alunos sobre as “brincadeiras” que podem machucar a alma e fazer com as pessoas, vítimas de situações constrangedoras sofram o resto de suas vidas. Através de vídeo comovente, os alunos entraram em contato com a dor de uma mãe cujo filho tirou aa própria vida, pois sofria Bullying na escola. Com a palestra o delegado Luis Mauro Sampaio quer promover a conscientização dos alunos. “O objetivo é fazer com que os estudantes reconheçam que o bullying existe e como evita-los e que ele pode evoluir para casos como o ocorrido em Suzano, apresentando um treinamento sobre o que fazer em casos eventuais de atirador ativo". 

–––––––––––––––––––––––––––––––– CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ––––––––––––––––––––––––––––––––

Após a palestra, o Perito Criminal fez a demonstração do protocolo americano contra atirador ativo, mais conhecido como "Run Hide Fight" (corra, esconda-se, lute). Os alunos simularam um episódio e aprenderam como sobreviver a um ataque à escola como aconteceu em Suzano, no início do ano. Ele mostrou que a tendência do atirador é entrar pela porta principal e que em fuga movida pelo instinto, a maioria das pessoas tende a fugir para a porta de entrada e assim a tragédia é maior. Foram feitas diversas simulações a fim de preparar os alunos para eventuais problemas, garantindo sua sobrevivência. 

As palestras e simulações encerraram o Projeto de Combate ao Bullying na Escola Agrícola, que foi desenvolvido, no início do ano, pela professora de Língua Inglesa, Simone Marques. “Nossa intenção é reforçar para os nossos alunos que o respeito é a principal forma de vivermos em comunidade sem problema nenhum, além de preparar toda a escola para momentos de tensão que podem acontecer em qualquer lugar, uma vez que não sabemos o que se passa na cabeça de cada um”, explicou a professora.

Pioneirismo

O projeto da Polícia Civil de Patos de Minas iniciou-se em abril deste ano, em uma escola da rede particular de ensino, depois foi se expandindo para as escolas públicas. "Trata-se de um chamamento das próprias escolas. O conteúdo deve ser passado para alunos, professores e funcionários, evitando um mal maior, como aconteceu na Escola Suzano, em São Paulo. Caso tivessem conhecimento desse protocolo, com certeza, várias pessoas lesadas ou até as que morreram, teriam saído ilesos da situação", esclareceu Sampaio.

Imagens atualizado em 02/07/2019 • 12 fotos

Autor: Farley Rocha Postado em 02/07/2019
Compartilhe:

13 comentários

Recentes Populares
Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Portal Patos Hoje. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Portal Patos Hoje poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!

Os comentários que receberem 20 votos negativos a mais que os positivos serão retirados do Portal.

  • Debochador | 1 mês, 2 semanas atrás

    Adolescentes tem o comportamento dos bolsotas, estando um sozinho nada acontece , mas se estiverem de turma gostam de botar o terror. São tão tolos que se acham protegidos pela turma, e no caso geral do Brasil, se acham protegidos pelo Bozo. No fundo o opressor é um covarde sem boa criação e de Espírito retrógrado.------------------Apliquem o Método Paulo Freire.

    0 0 Responder

  • Amadorismo continua....até quando? | 1 mês, 3 semanas atrás

    Droga é questão de saúde pública e não de polícia. Tá tudo errado. É muito amadorismo.

    0 4 Responder

  • Tuiuiu | 1 mês, 3 semanas atrás

    Excelete trabalho, em 1999 aprendi a usar drogas na escola santa terezinha no projeto acertando o passo, sofri muito para poder para de usar, hoje estou limpo há 13 snos.Parabéns a todos do pfojeto.

    2 0 Responder

  • Cinelândia | 1 mês, 3 semanas atrás

    Antigamente todo mundo tinha apelido. Toquinho de bater sola prós baixinhos, vara de apanhar coco prós altos e nem vou citar os outros pra ser processado. Mas todos esses que suportaram os apelidos se tornaram fortes. Hoje às pessoas são fracas a situações. Não suportam um não. Qualquer coisinha é depressão. Na minha época o não era o que mais existia. Mas a sociedade era mais forte. O refúgio para as frustrações não era droga e sim serviço pesado.

    3 0 Responder

  • Aluno | 1 mês, 3 semanas atrás

    Estou terminando o curso técnico pós médio esse ano, e já arrumei emprego na área. O governo oferece totalmente gratuito e poucos se interessam, mas Infelizmente as pessoas preferem falar mal e tentar queimar o filme.

    4 0 Responder

  • Paulo Freire 1 mês, 3 semanas atrás

    Comentário removido pelos leitores. Este comentário foi retirado porque recebeu 20 votos negativos a mais que os positivos.

  • valdim | 1 mês, 3 semanas atrás

    Eu fico por entender, hoje essa mulecadinha n aceita e n aguenta apelidinhos ou coisas do tipo, mas na primeira oportunidade, tão la fumando maconha e gritando lula livre. Vai entender. :see_no_evil:

    3 0 Responder

  • Almirosmar | 1 mês, 3 semanas atrás

    mas até qdo o nego é fêi nos n podemos fazer o bullyng? alguem sabe me explicar? Tem um colega meu que gendocéu. Não tem como passar o dia todo com ele e n fazer uma piadinha, ô minino fêi da pesta, parece uma mistura de esquerdista com pior ainda.

    1 1 Responder

  • Agriculino | 1 mês, 3 semanas atrás

    Na minha época q n é tão distante assim uns 9 anos só kkkkkkk era normal pega no pé dos novatos... Era tipo um rito d passagem e td mundo levava na moral...alguns por serem tiradinhos sofriam mais claro mas nd q estrapolasse, pq era tudo zuera os q era zuado na maior parte das vezes se tornaram amigos dos q zuava por incrível q pareça kkkkkk eu era bem sossegado... N sofri nem fiz nd com ngm mas era d boa td mundo... Parabéns pelo trabalho da PC pq infelizmente a geração atual está um pouco mais fragilizada do q antigamente e devemos trabalhar nisso.

    3 3 Responder

  • Playboy 1 mês, 3 semanas atrás

    Comentário removido pelos leitores. Este comentário foi retirado porque recebeu 20 votos negativos a mais que os positivos.

carregar mais comentários